TRANSFUSÕES E GRUPOS SANGUÍNEOS: PEQUENO HISTÓRICO

Vocês já ouviram falar em grupos sangüíneos? Provavelmente sim. Esse conhecimento é de grande importância em situações que requerem transfusão de sangue (cirurgias, acidentes em que tenha havido forte hemorragia etc).
Os grupos sangüíneos foram descobertos há pouco mais de cem anos e são determinados geneticamente, como caráter mendeliano.
Em medicina, a idéia de que as transfusões são úteis e podem salvar vidas é bastante antiga; no entanto, foi somente no começo do séc. XX que se compreendeu que, numa transfusão, era necessário haver compatibilidade entre o sangue do doador e o do receptor, para evitar acidentes graves.
Vejamos como as idéias a esse respeito evoluíram com o passar do tempo. Em 1665, foram feitas transfusões de sangue entre cães, que conseguiram sobreviver. Na mesma época, na Inglaterra e na França, tentou-se transfundir sangue de animais para seres humanos, usando-se ovelhas como doadodras. No entanto, por causa da alta taxa de insucesso, em 1678 essas transfusões foram proibidas pela Sociedade de Medicina de Paris.
Veja um fato curioso. De 1873 a 1880, nos Estados Unidos, alguns médicos transfundiram leite de vaca ou de cabra para pacientes humanos! Depois de várias reações indesejáveis, o leite foi substituído por uma solução de água e sais minerais. Até hoje, quando há perda de grande volume de líquidos do organismo, faz-se a reposição injetando-se na circulação do paciente soro fisiológico, uma solução salina.
A primeira transfusão de sangue entre seres humanos ocorreu em 1818. James Blundell, um obstetra inglês , estava enfrentando uma séria hemorragia numa de suas pacientes, logo após o parto. Com uma seringa, o médico ia retirando pequenas quantidades de sangue do braço do marido da paciente e injetando na circulação da mulher. Até 1830, Blundell realizou dez transfusões,cinco das quais bem sucedidas.
Em 1900, o médico austríaco Karl Landsteiner descobriu os diferentes grupos sangüíneos do sistema ABO na espécie humana. Misturando, em lâminas de vidro, gotas de sangue de pessoas distintas, observava às vezes aglutinação das hemácias, isto é, elas aderiam umas às outras. Em outras situações, a aglutinação não ocorria. Nesses casos, a aglutinação é característica de reação antígeno-anticorpo. Compreendeu-se assim que, nas transfusões malsucedidas, as hemácias do doador se aglutinavam na circulação do receptor, obstruindo os finíssimos capilares, o que podia levar à morte.
Entre 1914 e 1916, foram descobertas substâncias anticoagulantes, como o citrato de sódio, que permitiam o uso de recipientes na transfusão e a preservação do sangue por um tempo maior. Os anticoagulantes mudaram radicalmente o procedimento de transfusão: antes o sangue era transferido diretamente da veia do doador para a do receptor. Agora, o doador e receptor não precisam mais estar no mesmo local e na mesma hora; o sangue podia ser armazenado e posteriormente transfundido. Essa técnica foi utilizada na Primeira Guerra Mundial, durante a qual surgiram “depósitos” de sangue, origem dos modernos bancos de sangue.
Em 1940, Landsteiner e seus colaboradores descobriram outra categoria de grupo sangüíneo: o fator Rh, que mais tarde permitiu elucidar certos casos misteriosos de anemia em recém-nascidos. Foi também a partir de 1940 que se desenvolveram processos de fracionamento do sangue, separando-se as células – hemáceas, leucócitos e plaquetas – da parte líquida, o plasma, além do fracionamento do próprio plasma em albumina, fibrinogênio e gamaglobulina. A separação desses elementos permitiu o uso terapêutico de cada um deles isoladamente. O concentrado de hemáceas, por exemplo, é usado em casos de hemorragia (acidentes ou cirurgias) e em certos quadros de anemia. O concentrado de plaquetas é usado nos casos de deficiência no número de plaquetas no sangue. O plasma pode ser congelado e conservado por muito tempo. Nos casos de grande perda de líquidos, como nas queimaduras, por exemplo, é necessário repor a albumina no organismo.
Atualmente, várias substâncias sintéticas estão sendo pesquisadas como possíveis substitutos para o plasma e até o sangue.

Sobre Kbral

Cursando Arquitetura e Urbanismo FAACZ - Aracruz - ES
Galeria | Esse post foi publicado em 1º ano, 2º ano, 3º ano e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s